Como investir mesmo endividado?


mundo positivo | 16/06/2017

Parece impossível conseguir investir ao mesmo tempo em que está endividado, mas, por incrível que pareça, isso é viável. O que acontece muitas vezes é que, para começar a investir, as pessoas acreditam que devem quitar todas as suas dívidas e somente quando tiverem um valor adequado deverão começar a investir.

 

Mas o que geralmente recomendo é não esperar se livrar de vez das dívidas para começar este hábito, e que também não se prenda a valores altos; mesmo com pouco, buscar fazer o dinheiro render já é um importante passo.

 

A ideia de se investir enquanto deve é começar a criar um costume de reter parte do que ganha antes de pagar as dívidas e, de preferência, com foco e objetivos bem claros. Então, se você acredita que não consegue realizar essa tarefa, siga esses passos e faça o teste.

 

Se conheça – faça um diagnóstico de sua vida financeira atual, analisando tudo o que gasta e recebe durante pelo menos 30 dias e, com isso, priorize o que realmente é importante, necessário e primordial.

 

Conheça suas dívidas – saiba o que deve, quanto deve, quem são seus credores e os tipos de dívidas (se são contas com bens em garantia (carro, casa), contas essenciais (água, luz) ou demais contas). Além disso, precisa identificar aquelas que já estão atrasadas (inadimplente) e aquelas que ainda estão em dia (adimplente).

 

Objetivos – defina o que precisa ser planejado e organizado para começar a quitar suas dívidas e, com isso, trace um plano de ação. Caso você identifique que não consegue pagar todas as dívidas no momento que deseja, tudo bem, reconheça que houve um erro e, com isso, comece a reservar uma parte de seu ganho para honrar essa dívida lá na frente, mas também busque se educar financeiramente para que a situação não volte a acontecer.

 

Pague-se primeiro – aqui que você começa a aprender a investir parte do que ganha e somente depois pagar as contas. Assim que receber, determine um valor por mês para investir, sempre atrelado a um objetivo (nem que este seja o de quitar aquela dívida que hoje não consegue pagar). Comece nem que seja com pouco (R$ 30,00, ou seja, R$ 1,00 por dia), é possível e viável.

 

Evite novas dívidas – reorganize seus gastos mensais, diminua a aquisição de novas dívidas, reaproveite e reutilize o que já tem, compare tudo o que for comprar para consumo imediato e otimize as suas contas fixas, como por exemplo, reduzindo pacotes e contratos existentes. Essa é a melhor forma de adquirir menos e com o menor custo.

 

Comece a sonhar – enquanto investe, resgate seus sonhos e anseios e, assim, utilize eles como motivação para a sua virada (de endividado para investidor)! Serão esses sonhos os condutores desta mudança e, para isso, comece com pelo menos três objetivos: um de curto prazo (até um ano), um de médio prazo (de um a dez anos) e um de longo prazo (acima de dez anos). Analise quanto custa cada um, bem como enquanto tempo poderá realizá-los.

 

Ao seguir esses passos, você vai, ao mesmo tempo, ajustando suas dívidas, se reorganizando, criando um novo hábito financeiro e mudando o comportamento. Quando menos esperar, terá suas dívidas quitadas, dinheiro investido e sonhos realizados.


Comentários